Capex, ROI, EBITDA, Budget, Headcount, Forescat: Quem são esses caras?

-- PUBLICIDADE --

Mais um ano coneça e algumas empresas e profissionais começam a se reunir, pois já estamos no período de análise, revisão, projeção e crítica do planejamento estratégico e de alguns indicadores de desempenho, como o ROI, EBTDA, Capex, Forecast, críticas ao headcount, enfim, o fechamento do ano e as projeções referentes ao desempenho e a análise dos próximos períodos.

Momento em que o mercado se movimenta, pois maus resultados e projeções não atingidas necessitam de ajustes e, consequentemente, de profissionais capacitados para tocarem esses projetos. Nosso escritório está tocando um volume de posições de diretoria e de alta gerência absurdamente superior ao mesmo período do ano passado, que já foi maior que a do ano anterior.

-- PUBLICIDADE --

Para vocês terem uma ideia do que estou falando, ao finalizar este artigo as posições de diretoria a que me refiro, e são cinco, estão com remuneração acima de 20 mil reais, sem considerar a variável, que pode chegar de seis a 15 salários em alguns casos.

-- PUBLICIDADE --

Cenário dos sonhos para todo profissional não é mesmo? Cenário perfeito para todo headhunter, concorda? Mas, o que estou vivendo é um grande desafio e um momento angustiante. Saiba também o que é bloco de controle e dispersão acionária. Alguns vão me dizer que estou maluco, a minha mulher já diz isso, mas vou explicar um pouco o cenário e dividir com você este momento.

As oportunidades de se investir no Nordeste

A grande maioria das empresas regionais que experimentam ou experimentaram crescimento e, acima de tudo, resultados positivos começaram a fazer com que outros estados e países e, consequentemente, investidores passassem a olhar a nossa região nordestina com outros olhos. Com os olhos da possibilidade de ganhar dinheiro e apresentar valorização dos seus papéis na Bolsa. Vejam as instalações, aquisições, fusões e parcerias que aconteceram nos últimos três anos, principalmente.

E aí começa o meu drama.

Quando somos procurados para identificar profissionais para garantirem a continuidade e aumento dos resultados nas unidades aqui instaladas, fico com o maior orgulho e acima de tudo animado em podermos manter aqui os nossos talentos e mostrar o quanto temos de excepcionais profissionais para tocarem os projetos e os desafios lançados.

Porém, o hiato deste momento vem da falta de alinhamento do discurso esperado de alguns profissionais para realizar os investimentos adequados. Não que não tenham a capacidade técnica e operacional para assumi-las, mas existe uma distância muito alta no discurso e na linguagem.

É impressionante como nas entrevistas poucas vezes são mencionados esses nomes, para alguns complicados, que cito no título deste artigo. E, quando os menciono, vejo a cara de espanto ou de susto que alguns fazem durante a entrevista. E, quando ocorre o contrário, o profissional fala a mesma linguagem que o acionista espera, a distância entre esses dois profissionais se torna absurda.

O cenário e o tabuleiro mudaram. E a forma de jogar também. Aqueles que não conseguirem absorver o que é necessário para falar a mesma “língua” do acionista vai continuar achando que o mercado está ruim e que não temos empregos ótimos. E aí vai se dar conta de que aquele super gerente financeiro que se acha o último biscoito do pacote, não passa de um mero conciliador de contas a pagar e receber.

Conclusão

Ainda dá tempo de reverter? A médio prazo sim, mas sinto por alguns bons profissionais estarem perdendo excelentes oportunidades. E ainda corro o risco de ter de importar profissionais.

Bom final de semana e hoje no happy hour procure o significado dos indicadores do título!

-- PUBLICIDADE --

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *